Ruínas de uma era dourada

Camponeses, trabalhadores urbanos e até nobres, em semelhante medida, dificilmente se aventuram mundo afora. Para eles, o que veem é tudo o que há... Almas ousadas, contudo, sempre existirão. As estradas ermas chamam, e alguns se arriscam a deixar a segurança do lar, seja por riqueza, paixão ou necessidade. Esses exploradores, navegantes, caravaneiros e mercenários viajam por locais distantes, levando com eles testemunhos de um mundo tanto fascinante quanto assustador. Para cada grande maravilha, as terras além do horizonte escondem também perigos terríveis. De que os aventureiros falam? Penhascos altos onde dragões fazem ninhos. Rios que escalam montanhas ou mesmo fluem pelos céus. Uma temp

A mão invisível do destino

Anima é um mundo de muitas religiões. Embora várias formas de monoteísmo sejam prevalentes, não são raros os que seguem mais de uma fé e adoram a vários deuses. Cada região ou nação tem seus credos dominantes, mas há um em particular comum a todos os povos: a crença no destino. Inescapável, inexorável, irrefreável, o destino determina os caminhos e as oportunidades para cada homem ou mulher desse mundo. Temido igualmente por camponeses, comerciantes, generais e reis, cada cultura o vê de uma forma diferente, mas ele está sempre presente, sua lâmina invisível pairando sobre nossas cabeças. Para os kalimnorianos, o destino é uma força natural, um ímpeto originário do mundo, sobrepondo-se a

Introdução: A Terra dos Cornos

Índice de Capítulos "Há muito, muito tempo, existiu um reino, Que se estendeu por todo o mundo conhecido..." Naquele tempo, para fugir da loucura do rei-destino, um soldado lendário chamado Vatapá liderou uma legião de refugiados para uma faixa de terra erma no norte do continente, delimitada por duas penínsulas montanhosas. Espremida entre o litoral e o sertão agreste, aquela região era tão hostil, que mesmo o grande reino não ousara se expandir para lá. Em represália aos fugitivos, o rei-destino conjurou uma vasta tempestade sobre o golfo entre as duas penínsulas, impedindo a navegação e isolando a região quase completamente, exceto por uma pequena passagem junto à costa, nas montanhas a

Sinopse - Zé Calabros na Terra dos Cornos

Entre a caatinga e o mar, a Cornália é uma terra hostil, governada por coronéis, ameaçada por cangaceiros e habitada por feras lendárias. É uma época de terror. O Rei do Cangaço se ergue no leste, isolando a região e espalhando violência em sua cruzada sangrenta. Porém, quando o errante Zé Calabros, cabra-macho do sertão, salva a vida de um náufrago misterioso, inicia-se uma travessia perigosa por essa terra fantástica. No caminho, nossos heróis insólitos — e também você, leitor — encontrarão engenhos terríveis, feiticeiros poderosos, monstros selvagens e bandidos cruéis. Esta é a jornada de Zé Calabros na Terra dos Cornos.

Bem-vindos às Crônicas Anímicas!

Há aproximadamente um mês, em 17 de Maio de 2016, eu enviava à Biblioteca Nacional a documentação de meu romance, Zé Calabros na Terra dos Cornos, a primeira obra das Crônicas Anímicas. O que são essas crônicas? São aventuras incríveis num mundo fantástico, a terra de Anima, dividida em vários reinos e nações com um passado sombrio. Anima não é um lugar comum. Nela, habitam não só monstros, dragões e gigantes, como homens capazes de grandes feitos: guerreiros formidáveis, feiticeiros poderosos, curandeiros milagrosos e tantos outros aventureiros incríveis. Mas o nome dessa terra, inspirador das crônicas que a explorarão, não foi escolhido ao acaso. Anima significa "alma", e é disso que se t

Livro Atual
Zé Calabros na Terra dos Cornos
Categorias
Destaques
O Autor

Tiago Moreira

  • Facebook Black Round
  • Twitter Black Round
Procure pelas Tags
Procure por Mês
  • Facebook Black Round
  • Twitter Black Round

As Crônicas Anímicas

© 2016 Tiago Moreira